Adoras desenhar?Os Tokio Hotel?Fazes bonecos de cada elemento da banda?Mostra no TokioHotelFanartist as tuas artes 'bout them!
 
InícioInício  PortalPortal  FAQFAQ  MembrosMembros  GruposGrupos  Registrar-seRegistrar-se  LoginLogin  

Compartilhe | 
 

 My AngeL

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
AngeL



Mensagens : 16
Data de inscrição : 17/11/2008
Idade : 31

MensagemAssunto: My AngeL   Qua Nov 19, 2008 10:27 am

Esta One Shot foi das que mais gostei de escrever..

Fala-nos de um amor especial, para que todos possamos dar o devido valor ás pequenas e simples coisas da vida, porque há momentos unicos, que nunca seram esquecidos

..que espero k gostem..beijinhos


My AngeL


Encontrava-me deitada no meu quarto, lá fora o céu estava estrelado e a noite calma.
Eu dava voltas e mais voltas na cama - Pára de sofrer!! - pensava eu para mim mesma, tentando-me enganar.
Porquê, porquê que tiveste de partir para longe de mim..Não percebes que te amo.
Levantei da cama, e foi para a varanda do meu quarto..
Chorava agora, as saudades e a angustia aumentavam, era como se uma dor insuportável me contrai-se o peito, quase semelhantes a pequenas facas pontiagudas que perfuram o meu corpo.
Lembrava-me das últimas semanas, meses, olhei para baixo, uma altura de apenas 2 andares me separava do chão.
Pensei, porque não..fechei os olhos e ..
Não..( uma voz vinda do meu quarto , calma e serena dirigia-se a mim)

Pensei (é a minha consciência) não está aqui ninguém…os meus pais vivem noutra cidade, não tenho ninguém em casa..
Abri os olhos, e tornei a fecha-los.
Pensei é o fim..
Ao preparar-me para cair, senti uma mão delicada pousar-me no ombro.
- "Ainda não é a tua hora"
Dei um grito de espanto, e cai para trás.
- Mas..mas..quem és tu..que fazes aqui.. – disse eu
- Apenas alguém que te protege, e que te avisa…não é a tua hora de partir..
- Mas como é que entras te aqui..mas.. – Eu estava confusa com toda aquela situação.
- Não te assustes, não te faço mal.. – Disse ele, os seus olhos negros, pareciam disser a verdade.
- Entras assim na casa dos outros..e já agora não sabes nada da minha vida.. – disse eu com um tom de raiva, apesar de ele se mostrar calmo e sereno.
- Por acaso até sei, sei o quanto sofreste quando a tua avô morreu, o quanto ficaste feliz quando o teu irmão nasceu, de como aquele rapaz te fez sonhar e agora sofrer, sei .. – disse ele.
- Mas como podes saber tanto da minha vida, andas me a seguir – Disse alto e andava de um lado para o outro no quarto.
- Não..eu simplesmente faço parte de ti.. – Disse ele aproximando-se.
Tu és doido ou quê?? – Disse eu dirigindo-me a ele.
Sai daqui, do meu quarto, da minha casa..Sai..
Ele saio calmamente, as suas roupas pretas justas, mal se viam na escuridão do meu quarto, o seu cabelo liso muito comprido e negro caia-lhe levemente sobre o rosto.
Olhei para ele, e pedi novamente que sai-se.
Na manhã seguinte, na universidade, sai do meu carro distraída e atrasada como sempre, vinha um daqueles engraçadinhos a mostrar o seu grande jipe, quando nem repara que eu estou no caminho.
Não tive tempo de agir, congelei a ver o carro contra mim.

De repente alguém me agarra, e me faz cair no chão.
Os seus braços estavam ainda envolvidos no meu corpo, e eu encontrava-me deitada de costas para ele.
Levantei lentamente para agradecer, e ver quem era..
Novamente vi, a figura alta e magra vestida de preto a minha frente, ele tinha-me salvo de novo.
O seu rosto mantinha-se calmo, apesar de eu pensar que ele poderia estar ferido devido a queda.
- Tu estás bem – Disse eu
Ele levantava-se agora e retirava o cabelo do rosto – Ele tinha uns olhos lindos ( pensei).
- Não te preocupes comigo, eu estou bem – Disse ele.
- Posso saber ao menos o teu nome – Perguntei.
- Bill
- Muito obrigada Bill, o meu nome é Clara.
- Eu sei – disse ele.
- Mas como é que podes saber tanto da minha vida – disse-lhe enquanto nos íamos dirigindo para um banco de jardim perto da escola.
- Já te disse faço parte de ti.
 - Desculpa, mas isso não faz sentido nenhum..
- Lembraste quando procuravas muito uma coisa, e nunca achavas e de repente ela aparecia..ou quando quase caíste naquela falésia na praia quando tinhas 6 anos..
- Mas como podes saber isso tudo??
- Eu sei, porque eu sou o teu anjo, e ontem como não tinha chegado a tua hora, tive que aparecer para te salvar de novo.
Normalmente não te recordas de mim, apesar de eu estar sempre contigo..

- Desculpa, mas isso é demasiado surrial, não acredito.
Eu já sabia que não irias acreditar..por isso..
Ele estende a mão, e dame um pequeno medalhão, quando vi, nem queria acreditar, as lágrimas escorriam me no rosto, e a imagem da minha avô antes de falecer, aparecia agora a minha frente, como de uma lembrança perdida no tempo se trata-se.
- Mas como é que tens o medalhão da minha avô.. – eu chorava incrédula.
Eu era o anjo dela, antes de morrer ela despediu-se de ti, e eu na altura estava lá, mas não me viste, eu acompanhei a vida dela, e ao ir busca-la para partir, ela viu-me e reconheceu-me.
Ela disse para eu te guiar, para te proteger, e para quando fosse a altura, eu aparece-se e te desse o medalhão, para que te lembres que és adorada por todos, família, amigos, e para relembrar que a tua hora não chegou.
Olhei para ele, um sentimento de carinho, e gratidão apoderava-se de mim, abracei-me a ele.
O seu corpo era frio, a sua pele suave e branca, e de novo aquele brilho no olhar.
Não sei quanto tempo, fiquei ali, quando o larguei e olhei para o seu rosto, pela primeira vez mostrava alguma cor, ele olhou para baixo, e disse:
- Tenho de partir..
- Não ( disse eu)
Mas ele continuo a andar, pensei.. será que o perdi para sempre..
Passavam agora 5 meses, desde aquele dia, era o aniversário da morte da minha avo e como em todos os anos, foi ao cemitério colocar flores na sua campa.
Lá estava eu agarrada ao medalhão, que agora usava no pescoço.
Tenho saudades tuas avo…disse eu
E ela tem saudades tuas -disse de novo aquela voz meiga.
Olhei para trás, lá estava ele, a olhar para mim e a sorrir.
Pela primeira vez, vi o seu sorriso, como era doce e rasgado.
Voltaste – disse eu.
Ele baixou o olhar, e voltou me as costas, em sinal de partida.
Levantei e disse:
- Espera onde vais, fica comigo..
Ele parou a sua caminhada e olhou para mim, e disse:
- Não posso, não me é permitido..
- Mas porquê??
- Porquê se me mantiver perto de ti visível, partirei para o outro mundo, e não te poderei proteger.
- Mas eu quero estar contigo..
- Eu também, mas não posso, não poderei permitir que algo de mal te aconteça.
E desapareceu..
Billllllllll!!!!!!!!!!!! – gritei

Cai naquele chão gélido, uma dor de perda e solidão apoderava-se de mim, a chuva começou a cair, e as minhas roupas iam ficando ensopadas a medida que a intensidade desta aumentava.
Olhei para o céu, em busca de resposta, e sai daquele lugar, peguei no carro, e conduzi atribuladamente até a praia, a chuva e a tempestade eram agora piores.
O vento soprava com tanta força, que não me deixavam subir a falésia direito.
Os meus pés ficavam feridos a medida que escalava a rocha de forma a chegar ao seu ponto mais alto.
O mar lá em baixo estava bravo, revoltado, cinzento, tal como o meu coração, senti que o queria de volta, que não o podia perder, por isso quis saltar da falésia, que outrora ele me tinha salvo em criança, para que ele aparece-se de novo em meu auxilio.

Olhei para o mar , abri os braços e gritei..Billlllll!!!!!!!!!!!!!!!!
Nada vi..apenas o mar, pensei..
Nem ele, nem aquele anjo me quer..a dor voltou ainda pior, outra vez a perda..
Billllllllllll – gritei ainda com mais força
Porquê..( soluçava agora enquanto chorava)porquê não apareces…
Volta..não percebes..VOLTA!!!!!!!!
E atirei-me..
Os meus olhos estavam fechados e senti uma força puxar o meu corpo para trás, de tal forma que fiquei estendida no chão.
Senti, um corpo caiu ao meu lado, e era ele.
- Bill..não acredito voltas-te..
Ele não se mexia, e eu não percebia porquê..
Bill?? - levantei-me e olhei para ele, o seu rosto estava virado para o chão.
Com cuidado, virei a sua cara e vi que tinha vários cortes no rosto, a cor branca estava quase roxa, e as suas mãos feridas.
Comecei a chorar, pensei o pior, ele abriu os olhos, e limpou-me as lágrimas assim como a água que escorria na minha cara devido a chuva.
As suas mãos frias tremiam ao tocar na minha pele, e os seus olhos fecharam-se.
Não… não pode ser..pensei - Tenho que salva-lo..tenho que o tirar daqui..
Olhei para o carro, peguei no seu corpo alto e magro, e arrastei-o com as forças que tinha até lá.
A sua pele estava cada vez mais transparente, as minhas forças iam desaparecendo a medida que o puxava, o chão escorregadio e lamacento faziam me cair e ferir o meu corpo, mas eu não podia desistir, não agora que o tinha junto de mim, e ele me ter salvo novamente.
Consegui com muito esforço leva-lo para a minha casa.
Deitei-o na cama, tirei-lhe as roupas, vi que o seu corpo tinha algumas marcas, o braço esquerdo continha letras, parecia uma marca de queimadora, o seu ventre uma estrela, que parecia oriunda de tribos, e debaixo dos seus longos cabelos negros, um circulo, com um símbolo.
Parecia que ele já tinha vivido varias vidas, ao longo de séculos, cada marca parecia ter uma historia.
A sua pele estava quase a voltar ao normal, e as feridas pareciam que iriam sarar dali a nada, quase por magia.
Ele estava adormecido, tirei a minha roupa molhada e foi para o banho.
O chuveiro deitava uma água extremamente quente, o fumo espalhava-se por toda a casa de banho, deixando uma névoa branca.
Senti aquela água, vir contra a minha pele fria.
E ouvi uma voz - Qual é a sensação??
Voltei-me de imediato, e olhei - Lá estava ele calmo a observar-me.
Engoli em seco e enrolava ainda mais a toalha contra as minhas mãos, a mesma que tinha retirado, para me cobrir, para que ele não me visse.
Sensação..???
Sim – disse ele, dirigindo-se a mim, apenas estava de calças, e as feridas pareciam ter sarado.
Sim. Da água contra a pele, do quente e frio..como é..
Olhei para aqueles olhos, respirei e olhei para ele..

- Sensação ( a minha voz tremia), é..é..o quente faz-nos sentir confortáveis, bem, a nossa pele não fica arrepiada ao contrario de quando temos frio..apesar da água fria de causar outras sensações na pele.
Porque que a tua pele está arrepiada agora, se a água esta quente..
Olhei para os meus braços e um calafrio atravessou-me coluna..
Porque..por tua causa..tu deixas-me assim..
Ele olhou-me e aproximou - se ainda mais..

Eu não posso..mas ( disse ele)
O que é que não podes Bill..
Não me é permitido mas.. – ficou com o seu rosto perto do meu..
Como é sentir um beijo?? – disse ele
- Um..um beijo..( a minha voz tremia ainda mais, a toalha estava molhada por eu ainda me encontrar dentro do chuveiro)
Um beijo..ora..tu sentes a outra pessoa se aproximar de ti, sentes a sua respiração…
( como a tua esta ofegante) disse ele
- Sim ..como a minha ( molhei os meus próprios lábios, com a língua e ele em seguida, no gesto de aprendizagem)

A sua boca estava perto da minha..
Sentes, sentes..os lábios da outra pessoa contra os teus ..suaves, apetecíveis, em gestos delicados que te fazem querer mais..
Sim ( disse ele) com os seus lábios junto dos meus.
Sim, faz te querer mais..o desejo aumenta sentes a temperatura do teu corpo a aumentar, queres tocar, beijar, amar essa pessoa..
Amar..(disse ele ) e os nossos lábios tocam-se..
A água caia sobre nós, juntamente com a minha toalha.
Ele beija-me carinhosamente, a sua boca parecia estar a descobrir cada cantinho dos meus lábios.
Beijava delicadamente e as suas mãos começaram a tocar suavemente no meu corpo.
Os seus braços envolviam-me e eu a ele..
O beijo aumentava de intensidade, o desejo aumentava…
Olhei para ele a pele pálida e branca dava lugar agora a um tom mais moreno, e vivo..
Os seus lábios um tom rosa avermelhado, tornando-se cada vez mais apetecíveis.
Voltei a beija-lo.
Ele começa a percorrer o meu pescoço com os lábios, e sussurra ao meu ouvido..
E Amar!!
O que é amar??
Ele continuava a acariciar o meu corpo, delicadamente quase com medo de magoar..admirava-me lentamente vendo as diferenças entre o meu corpo e o seu…
Amar..disse eu..(enquanto lhe segurava lentamente na cabeça e o deixava descobrir o meu corpo com os lábios)
Quando amas alguém, queres estar com essa pessoa. Sofres quando não estás perto dela, respeitas, admiras, orgulhas te, sentes algo forte que te faz sentir bem.. preocupaste ..proteges das carinho, adormeces e acordas ao lado dessa pessoa todos os dias com um sorriso nos lábios, querendo partilhar momentos bons da tua vida com ela..
Momentos ( disse ele) apenas tenho e te posso dar isso Um Momento..o momento em que eu te amo, e te perco..
Mas porque..disse eu enquanto lhe acariciava o rosto..
- Porque que me perdes..eu quero ficar contigo..
Porque não me é permito tais sensações. .porque não sou humano, e das outras vezes que me envolvi demasiado com as pessoas que tenho de proteger, eu ia quase desaparecendo(olhou para as marcas do corpo)..o que vocês chamam de morte, ou passar para outra dimensão.
- Mas ..disse eu..eu quero ficar contigo, não te quero perder..
Não percebes Bill, eu amo-te, mais do que a qualquer pessoa..
- E eu a ti..e beijou-me..
Ele encostou o meu corpo contra a parede húmida do chuveiro e amou-me pela primeira vez.
No fim, olhei para ele, ele sorriu e disse que tinha de partir..
Eu disse – Não ( e abracei-o) não quero ..
Fica comigo..tem que haver uma maneira..uma solução..
Clara..um dia estaremos juntos, quando partilharmos mesma dimensão
..quando partires..
- Não Bill, ( vi a sua cor tornar-se novamente mais pálida) abracei –o com força..
Não Eu amo-te não me deixes..
Ele olha-me nos olhos, a sua respiração estava fraca..ele diz..Amo-te e beija-me em seguida..
Quando abri os olhos vi que o seu corpo tinha desaparecido..com a mesma facilidade que apareceu naquele quarto a primeira vez.
Nãooooooooooooooo!!!!!!!!!!!!griteiii
Olhei para a cama as suas roupas ainda estavam lá, o seu cheiro ainda estava no meu corpo, sentia a sua presença..
Um sentimento de perda e dor, voltava.. olhei para a janela, e pensei ..Eu quero e vou ficar contigo..agora e sempre..
E atirei-me.

Porquê um dia um anjo me salvou a vida, mas me mostrou que quero ficar junto dele, para sempre..
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Catz Kaulitz



Mensagens : 57
Data de inscrição : 01/11/2008

MensagemAssunto: Re: My AngeL   Qua Nov 19, 2008 4:12 pm

Mais uma vez peço-te mesmo para colocares as regras !

Na zona das OS's está lá um tópico a falar, respectivamente, sobre isso !
Por favor acede ao tópico, o que não custa ! é uma coisa de 5 frases, não muito grandes.

Caso não o faças, seremos obrigadas a eliminar o tópico :\


Obrigada,
Moderadora e Administradora: Catz Kaulitz
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
AngeL



Mensagens : 16
Data de inscrição : 17/11/2008
Idade : 31

MensagemAssunto: Re: My AngeL   Qua Nov 19, 2008 4:43 pm

Sumary:Esta OS não contém caractar sexual nem conteudos sujectiveis.
Trata-se de um romande/drama, que envolve várias emoções, e pretende transmitir ao leitor uma mensagem.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
AngeL



Mensagens : 16
Data de inscrição : 17/11/2008
Idade : 31

MensagemAssunto: Re: My AngeL   Sex Nov 21, 2008 10:46 am

(o sumario encontra-se descrito mais abaixo)

My AngeL


Encontrava-me deitada no meu quarto, lá fora o céu estava estrelado e a noite calma.
Eu dava voltas e mais voltas na cama - Pára de sofrer!! - pensava eu para mim mesma, tentando-me enganar.
Porquê, porquê que tiveste de partir para longe de mim..Não percebes que te amo.
Levantei da cama, e foi para a varanda do meu quarto..
Chorava agora, as saudades e a angustia aumentavam, era como se uma dor insuportável me contrai-se o peito, quase semelhantes a pequenas facas pontiagudas que perfuram o meu corpo.
Lembrava-me das últimas semanas, meses, olhei para baixo, uma altura de apenas 2 andares me separava do chão.
Pensei, porque não..fechei os olhos e ..
Não..( uma voz vinda do meu quarto , calma e serena dirigia-se a mim)

Pensei (é a minha consciência) não está aqui ninguém…os meus pais vivem noutra cidade, não tenho ninguém em casa..
Abri os olhos, e tornei a fecha-los.
Pensei é o fim..
Ao preparar-me para cair, senti uma mão delicada pousar-me no ombro.
- "Ainda não é a tua hora"
Dei um grito de espanto, e cai para trás.
- Mas..mas..quem és tu..que fazes aqui.. – disse eu
- Apenas alguém que te protege, e que te avisa…não é a tua hora de partir..
- Mas como é que entras te aqui..mas.. – Eu estava confusa com toda aquela situação.
- Não te assustes, não te faço mal.. – Disse ele, os seus olhos negros, pareciam disser a verdade.
- Entras assim na casa dos outros..e já agora não sabes nada da minha vida.. – disse eu com um tom de raiva, apesar de ele se mostrar calmo e sereno.
- Por acaso até sei, sei o quanto sofreste quando a tua avô morreu, o quanto ficaste feliz quando o teu irmão nasceu, de como aquele rapaz te fez sonhar e agora sofrer, sei .. – disse ele.
- Mas como podes saber tanto da minha vida, andas me a seguir – Disse alto e andava de um lado para o outro no quarto.
- Não..eu simplesmente faço parte de ti.. – Disse ele aproximando-se.
Tu és doido ou quê?? – Disse eu dirigindo-me a ele.
Sai daqui, do meu quarto, da minha casa..Sai..
Ele saio calmamente, as suas roupas pretas justas, mal se viam na escuridão do meu quarto, o seu cabelo liso muito comprido e negro caia-lhe levemente sobre o rosto.
Olhei para ele, e pedi novamente que sai-se.
Na manhã seguinte, na universidade, sai do meu carro distraída e atrasada como sempre, vinha um daqueles engraçadinhos a mostrar o seu grande jipe, quando nem repara que eu estou no caminho.
Não tive tempo de agir, congelei a ver o carro contra mim.

De repente alguém me agarra, e me faz cair no chão.
Os seus braços estavam ainda envolvidos no meu corpo, e eu encontrava-me deitada de costas para ele.
Levantei lentamente para agradecer, e ver quem era..
Novamente vi, a figura alta e magra vestida de preto a minha frente, ele tinha-me salvo de novo.
O seu rosto mantinha-se calmo, apesar de eu pensar que ele poderia estar ferido devido a queda.
- Tu estás bem – Disse eu
Ele levantava-se agora e retirava o cabelo do rosto – Ele tinha uns olhos lindos ( pensei).
- Não te preocupes comigo, eu estou bem – Disse ele.
- Posso saber ao menos o teu nome – Perguntei.
- Bill
- Muito obrigada Bill, o meu nome é Clara.
- Eu sei – disse ele.
- Mas como é que podes saber tanto da minha vida – disse-lhe enquanto nos íamos dirigindo para um banco de jardim perto da escola.
- Já te disse faço parte de ti.
 - Desculpa, mas isso não faz sentido nenhum..
- Lembraste quando procuravas muito uma coisa, e nunca achavas e de repente ela aparecia..ou quando quase caíste naquela falésia na praia quando tinhas 6 anos..
- Mas como podes saber isso tudo??
- Eu sei, porque eu sou o teu anjo, e ontem como não tinha chegado a tua hora, tive que aparecer para te salvar de novo.
Normalmente não te recordas de mim, apesar de eu estar sempre contigo..

- Desculpa, mas isso é demasiado surrial, não acredito.
Eu já sabia que não irias acreditar..por isso..
Ele estende a mão, e dame um pequeno medalhão, quando vi, nem queria acreditar, as lágrimas escorriam me no rosto, e a imagem da minha avô antes de falecer, aparecia agora a minha frente, como de uma lembrança perdida no tempo se trata-se.
- Mas como é que tens o medalhão da minha avô.. – eu chorava incrédula.
Eu era o anjo dela, antes de morrer ela despediu-se de ti, e eu na altura estava lá, mas não me viste, eu acompanhei a vida dela, e ao ir busca-la para partir, ela viu-me e reconheceu-me.
Ela disse para eu te guiar, para te proteger, e para quando fosse a altura, eu aparece-se e te desse o medalhão, para que te lembres que és adorada por todos, família, amigos, e para relembrar que a tua hora não chegou.
Olhei para ele, um sentimento de carinho, e gratidão apoderava-se de mim, abracei-me a ele.
O seu corpo era frio, a sua pele suave e branca, e de novo aquele brilho no olhar.
Não sei quanto tempo, fiquei ali, quando o larguei e olhei para o seu rosto, pela primeira vez mostrava alguma cor, ele olhou para baixo, e disse:
- Tenho de partir..
- Não ( disse eu)
Mas ele continuo a andar, pensei.. será que o perdi para sempre..
Passavam agora 5 meses, desde aquele dia, era o aniversário da morte da minha avo e como em todos os anos, foi ao cemitério colocar flores na sua campa.
Lá estava eu agarrada ao medalhão, que agora usava no pescoço.
Tenho saudades tuas avo…disse eu
E ela tem saudades tuas -disse de novo aquela voz meiga.
Olhei para trás, lá estava ele, a olhar para mim e a sorrir.
Pela primeira vez, vi o seu sorriso, como era doce e rasgado.
Voltaste – disse eu.
Ele baixou o olhar, e voltou me as costas, em sinal de partida.
Levantei e disse:
- Espera onde vais, fica comigo..
Ele parou a sua caminhada e olhou para mim, e disse:
- Não posso, não me é permitido..
- Mas porquê??
- Porquê se me mantiver perto de ti visível, partirei para o outro mundo, e não te poderei proteger.
- Mas eu quero estar contigo..
- Eu também, mas não posso, não poderei permitir que algo de mal te aconteça.
E desapareceu..
Billllllllll!!!!!!!!!!!! – gritei

Cai naquele chão gélido, uma dor de perda e solidão apoderava-se de mim, a chuva começou a cair, e as minhas roupas iam ficando ensopadas a medida que a intensidade desta aumentava.
Olhei para o céu, em busca de resposta, e sai daquele lugar, peguei no carro, e conduzi atribuladamente até a praia, a chuva e a tempestade eram agora piores.
O vento soprava com tanta força, que não me deixavam subir a falésia direito.
Os meus pés ficavam feridos a medida que escalava a rocha de forma a chegar ao seu ponto mais alto.
O mar lá em baixo estava bravo, revoltado, cinzento, tal como o meu coração, senti que o queria de volta, que não o podia perder, por isso quis saltar da falésia, que outrora ele me tinha salvo em criança, para que ele aparece-se de novo em meu auxilio.

Olhei para o mar , abri os braços e gritei..Billlllll!!!!!!!!!!!!!!!!
Nada vi..apenas o mar, pensei..
Nem ele, nem aquele anjo me quer..a dor voltou ainda pior, outra vez a perda..
Billllllllllll – gritei ainda com mais força
Porquê..( soluçava agora enquanto chorava)porquê não apareces…
Volta..não percebes..VOLTA!!!!!!!!
E atirei-me..
Os meus olhos estavam fechados e senti uma força puxar o meu corpo para trás, de tal forma que fiquei estendida no chão.
Senti, um corpo caiu ao meu lado, e era ele.
- Bill..não acredito voltas-te..
Ele não se mexia, e eu não percebia porquê..
Bill?? - levantei-me e olhei para ele, o seu rosto estava virado para o chão.
Com cuidado, virei a sua cara e vi que tinha vários cortes no rosto, a cor branca estava quase roxa, e as suas mãos feridas.
Comecei a chorar, pensei o pior, ele abriu os olhos, e limpou-me as lágrimas assim como a água que escorria na minha cara devido a chuva.
As suas mãos frias tremiam ao tocar na minha pele, e os seus olhos fecharam-se.
Não… não pode ser..pensei - Tenho que salva-lo..tenho que o tirar daqui..
Olhei para o carro, peguei no seu corpo alto e magro, e arrastei-o com as forças que tinha até lá.
A sua pele estava cada vez mais transparente, as minhas forças iam desaparecendo a medida que o puxava, o chão escorregadio e lamacento faziam me cair e ferir o meu corpo, mas eu não podia desistir, não agora que o tinha junto de mim, e ele me ter salvo novamente.
Consegui com muito esforço leva-lo para a minha casa.
Deitei-o na cama, tirei-lhe as roupas, vi que o seu corpo tinha algumas marcas, o braço esquerdo continha letras, parecia uma marca de queimadora, o seu ventre uma estrela, que parecia oriunda de tribos, e debaixo dos seus longos cabelos negros, um circulo, com um símbolo.
Parecia que ele já tinha vivido varias vidas, ao longo de séculos, cada marca parecia ter uma historia.
A sua pele estava quase a voltar ao normal, e as feridas pareciam que iriam sarar dali a nada, quase por magia.
Ele estava adormecido, tirei a minha roupa molhada e foi para o banho.
O chuveiro deitava uma água extremamente quente, o fumo espalhava-se por toda a casa de banho, deixando uma névoa branca.
Senti aquela água, vir contra a minha pele fria.
E ouvi uma voz - Qual é a sensação??
Voltei-me de imediato, e olhei - Lá estava ele calmo a observar-me.
Engoli em seco e enrolava ainda mais a toalha contra as minhas mãos, a mesma que tinha retirado, para me cobrir, para que ele não me visse.
Sensação..???
Sim – disse ele, dirigindo-se a mim, apenas estava de calças, e as feridas pareciam ter sarado.
Sim. Da água contra a pele, do quente e frio..como é..
Olhei para aqueles olhos, respirei e olhei para ele..

- Sensação ( a minha voz tremia), é..é..o quente faz-nos sentir confortáveis, bem, a nossa pele não fica arrepiada ao contrario de quando temos frio..apesar da água fria de causar outras sensações na pele.
Porque que a tua pele está arrepiada agora, se a água esta quente..
Olhei para os meus braços e um calafrio atravessou-me coluna..
Porque..por tua causa..tu deixas-me assim..
Ele olhou-me e aproximou - se ainda mais..

Eu não posso..mas ( disse ele)
O que é que não podes Bill..
Não me é permitido mas.. – ficou com o seu rosto perto do meu..
Como é sentir um beijo?? – disse ele
- Um..um beijo..( a minha voz tremia ainda mais, a toalha estava molhada por eu ainda me encontrar dentro do chuveiro)
Um beijo..ora..tu sentes a outra pessoa se aproximar de ti, sentes a sua respiração…
( como a tua esta ofegante) disse ele
- Sim ..como a minha ( molhei os meus próprios lábios, com a língua e ele em seguida, no gesto de aprendizagem)

A sua boca estava perto da minha..
Sentes, sentes..os lábios da outra pessoa contra os teus ..suaves, apetecíveis, em gestos delicados que te fazem querer mais..
Sim ( disse ele) com os seus lábios junto dos meus.
Sim, faz te querer mais..o desejo aumenta sentes a temperatura do teu corpo a aumentar, queres tocar, beijar, amar essa pessoa..
Amar..(disse ele ) e os nossos lábios tocam-se..
A água caia sobre nós, juntamente com a minha toalha.
Ele beija-me carinhosamente, a sua boca parecia estar a descobrir cada cantinho dos meus lábios.
Beijava delicadamente e as suas mãos começaram a tocar suavemente no meu corpo.
Os seus braços envolviam-me e eu a ele..
O beijo aumentava de intensidade, o desejo aumentava…
Olhei para ele a pele pálida e branca dava lugar agora a um tom mais moreno, e vivo..
Os seus lábios um tom rosa avermelhado, tornando-se cada vez mais apetecíveis.
Voltei a beija-lo.
Ele começa a percorrer o meu pescoço com os lábios, e sussurra ao meu ouvido..
E Amar!!
O que é amar??
Ele continuava a acariciar o meu corpo, delicadamente quase com medo de magoar..admirava-me lentamente vendo as diferenças entre o meu corpo e o seu…
Amar..disse eu..(enquanto lhe segurava lentamente na cabeça e o deixava descobrir o meu corpo com os lábios)
Quando amas alguém, queres estar com essa pessoa. Sofres quando não estás perto dela, respeitas, admiras, orgulhas te, sentes algo forte que te faz sentir bem.. preocupaste ..proteges das carinho, adormeces e acordas ao lado dessa pessoa todos os dias com um sorriso nos lábios, querendo partilhar momentos bons da tua vida com ela..
Momentos ( disse ele) apenas tenho e te posso dar isso Um Momento..o momento em que eu te amo, e te perco..
Mas porque..disse eu enquanto lhe acariciava o rosto..
- Porque que me perdes..eu quero ficar contigo..
Porque não me é permito tais sensações. .porque não sou humano, e das outras vezes que me envolvi demasiado com as pessoas que tenho de proteger, eu ia quase desaparecendo(olhou para as marcas do corpo)..o que vocês chamam de morte, ou passar para outra dimensão.
- Mas ..disse eu..eu quero ficar contigo, não te quero perder..
Não percebes Bill, eu amo-te, mais do que a qualquer pessoa..
- E eu a ti..e beijou-me..
Ele encostou o meu corpo contra a parede húmida do chuveiro e amou-me pela primeira vez.
No fim, olhei para ele, ele sorriu e disse que tinha de partir..
Eu disse – Não ( e abracei-o) não quero ..
Fica comigo..tem que haver uma maneira..uma solução..
Clara..um dia estaremos juntos, quando partilharmos mesma dimensão
..quando partires..
- Não Bill, ( vi a sua cor tornar-se novamente mais pálida) abracei –o com força..
Não Eu amo-te não me deixes..
Ele olha-me nos olhos, a sua respiração estava fraca..ele diz..Amo-te e beija-me em seguida..
Quando abri os olhos vi que o seu corpo tinha desaparecido..com a mesma facilidade que apareceu naquele quarto a primeira vez.
Nãooooooooooooooo!!!!!!!!!!!!griteiii
Olhei para a cama as suas roupas ainda estavam lá, o seu cheiro ainda estava no meu corpo, sentia a sua presença..
Um sentimento de perda e dor, voltava.. olhei para a janela, e pensei ..Eu quero e vou ficar contigo..agora e sempre..
E atirei-me.

Porquê um dia um anjo me salvou a vida, mas me mostrou que quero ficar junto dele, para sempre..
[/quote]
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: My AngeL   Hoje à(s) 1:10 am

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
My AngeL
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» Angel 17A Unipivot Transcription Pickup Arm. 1955
» PAX JULIA METAL FEST 2011
» The Temple
» NOCTURNAL (Germany) - Unholy Thrash Metal
» BigBoy

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
TokioHotelFanArtist :: FanArtistArea :: One Shots-
Ir para: